quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Um assunto delicado para tratar aqui... Sexo.

Essa postagem foi feita em 2006... Foi uma das que mais chamou atenção dos que passaram pelo blog... Momento: Recordar é viver.

----------

Engraçado como as pessoas nos rotulam...

Quer dizer que só porque eu tenho deficiência física, significa dizer que não posso ter uma vida sexualmente ativa, ou então, que eu não possa sequer ter pensamentos impuros?

Ah, fique sabendo que temos sim, e muito! Uma imaginação fértil e criativa! Capaz de fazer o parceiro subir pelas paredes!


Aprendi certa vez, que contava a história que, uma moça muito bonita tinha uma amiga bonita por dentro, mas fisicamente a jovem tinha muito o que desejar! Porém, a "moça feia" conquistava os rapazes mais facilmente que a bonita. Se um cara ficava com a bonita, ele não queria mais nada com ela posteriormente, enquanto a feia, era constantemente assediada pelos ex-ficantes.

Certo dia, a jovem questionou a um dos rapazes o motivo deles sempre procurar a jovem que não agradava aos olhos de tantos, porque queria saber o que essa moça tinha que ela não tinha.

A resposta foi a seguinte: Mesmo que ela não seja bonita fisicamente, ela ama com intensidade. Ela faz tudo para nos sentirmos desejados, capaz de tudo para nos enlouquecer, nos trata de uma maneira diferente. Não fica com frescurinhas típicas das belas. Ela sabe que não é muito bonita mas se mostra atraente e isso nos chama a atenção. Além de ter um papo interessante e descompromissado. Sem esperar pelo dia seguinte. Faz tudo pensando apenas no momento. E transforma esse momento no mais intenso que eu já vivi.

Depois dessa, comecei a usar meus pontos positivos. Como assim? Te olha no espelho. Depois questiona alguém do sexo oposto ou mesmo uma amiga ou amigo sobre qual parte do corpo que ele/ela acha lindo em você. Use essa parte do corpo como trunfo.

Valorize o que tem, porque aquela conversa de que "o que é bonito é pra se mostrar" é mais verdadeiro do que você possa imaginar.

No meu caso, me disseram que meu busto é bonito, meu sorriso, meu olhar, enfim...Os que consideraram pontos do meu corpo chamativos, eu os batizei de "trunfos". E na cama, eu me transformo completamente, e não penso duas vezes quando se trata de cobrir de amor, o homem que eu amo.

Eu já sou limitada para inúmeras posições, mas algumas eu posso fazer, então, aposto nelas para satisfazê-lo. E as que eu não posso, eu dou um jeito para dar certo.

Antes eu ficava retraída, chorava, ficava na deprê séria mesmo, inconformada porque tinha nascido assim e não poderia fazer nada para satisfazer meu amado, e que logo logo, ele acabaria me trocando por alguém que o satisfizesse.

Tomei a iniciativa e a decisão de buscar na internet e pedir ajuda aos amigos do site DDS (Dicas de Sexo), sobre qualquer coisa que pudesse me ajudar no que se refere do momento entre quatro paredes. O pessoal ficava realmente preocupado em me ajudar e procuravam ajudar de qualquer forma, seja ajudando na experiência que tiveram, seja por imagens, vídeos ou o que fosse, para que eu tivesse uma ideia de como eu poderia agir na "Hora H".

Também tive a iniciativa e coragem de acessar sites de SexShops, ir nas lojas que vendem esses produtos específicos e na cara e na coragem eu questionava como eu poderia fazer, como poderia adaptar para mim algo feito para uma mulher decidida, sem preconceitos, aberta e perfeita fisicamente faria. Meu único empecilho é a deficiência nos pés. E nos pés, entre quatro paredes, meu amado não tem muito interesse não... -- risos

Mas o importante nessa história é o seguinte: Não vale a pena, (em parte) você que tem suas limitações, se entregar pro primeiro que te aparecer, porque não será um momento verdadeiramente romântico, e tão esperado como você sempre sonhou... Eu coloquei em parte, porque os homens começam antes da mulher, suas relações sexuais, e tudo bem, vamos dar um desconto, afinal, eles têm que ter um pouquinho de experiência mesmo (pensando meio machista mas tudo bem...), para que no tão esperado momento, a mulher esperando o bem-bom acontecer, ela não se decepcione com o máximo que o rapaz consegue fazer que é um "exame ginecológico"... -- risos.

Só acho interessante esperar, quando ambos, tanto ele quanto ela, perderão juntos a virgindade. E porque ambos querem, não porque um quer mais que o outro...Assim não é amor, e sim tara, desespero, desrespeito e falta de consideração!

É aconselhável o uso da camisinha em toda e qualquer relação, mas há aqueles que não gostam de camisinha, então meu conselho é o seguinte: Mermão, sem camisinha só depois de ter recebido o resultado dos testes do HIV, comprovando que você tem ficha limpa, do contrário, nem pensar.

Nada de oral, já que a camisinha foi impedida...O máximo que pode rolar e olhe lá, seria uma masturbação mútua. Mais do que isso, só se ele concordar com o exposto acima. Não é frescura não, mas no nosso caso, já temos tanta coisa pra nos preocupar sobre nossa deficiência, daí vem um gaiato, que só pensa no prazer dele e a gente que se dane, então temos de ter atitudes maduras assim.

Respira fundo e dê um chega-prá-lá. Quem tem mielo-meningocele, em sua grande maioria, pode ter filhos, ou seja, quem não quiser visita imprevista da cegonha à sua porta, principalmente por não termos condições nem de cuidarmos de nós mesmos, que dirá de um bebê, é melhor tomar cuidado. Ah, vamos ser realistas... Podemos dar conta mas que é complicado, isso é...

Pra engravidar sem riscos de ter um bebê com nossa mesma deficiência (caso raríssimo), basta planejar a gravidez, tomar com 6 meses de antecedência o ácido fólico e ter um acompanhamento direto com o obstetra para que tudo possa correr bem...

Prometo que depois falo mais sobre cada um desses assuntos mais detalhadamente, quem sabe umas dicas para as meninas...Enfim, vou parar por aqui por enquanto...Mas antes de terminar o post de hoje queria só dizer uma coisa: Se você teve sua experiência, guarde para você mesmo. Não saia espalhando por aí suas vantagens ou desvantagens...Deixa os "normais" continuarem achando que a gente não pode fazer nada... -- risos!