sexta-feira, 17 de setembro de 2010

NOSSO LAR e VIOLETAS



Para visualizar e perceber maiores detalhes, clique nas imagens.


Pela óstia consagrada do Espírito Santo!

Gente, pela'mor de Deus! Eu chorei do começo ao fim! Nossa como eu quero ir para uma Colônia dessas.

Eu sei que a Colônia Nosso Lar é uma das maiores que ficam no plano superior brasileiro, mas sei que a ideia das demais Colônias é parecida!

SPOILER (Depois não diga que eu não avisei -- Se não assistiu ainda, pode parar de ler a partir daqui)

Adorei a maneira como o livro do André Luiz foi apresentado.

É de uma riqueza de detalhes extremamente igual ao que nossa imaginação nos permite quando lemos o livro.

A visualização mais chocante para mim com certeza é a do Umbral e do "Hospital de Purificação" especialmente quando nos dão a causa da nossa morte realmente. No caso do André Luiz, um suicídio inconsciente por conta de tantas coisas ruins que ele guardava para si, como orgulho e arrogância, foram motivos suficientes para ele necessitar passar pela realidade que o aguardava por conta desses sentimentos.


E tem gente no mundo que é pior! É preconceituosa, mesquinha, invejosa, tem prazer em estragar a vida do próximo, prejudicando, atrapalhando...Enfim, eu conheço várias pessoas! E as que julgam e não admitem serem julgadas. Mas deixe estar...

Uma coisa eu tenho certeza. Santa eu também não sou e sei que vou bater no Umbral. Só espero sinceramente que eu não fique por muito tempo...

Poucos são merecedores de ficar num Ministério de Recuperação ou Hospital de Purificação lá na Colônia e dar continuidade a sua "vida".

Gente! O Aerobus é muito lindo, né? Do jeitinho que eu visualizei na minha mente! Sei que provavelmente o real deve ser ainda mais bonito, mas no filme ficou do jeito que eu imaginava quando lia o livro.

Os Ministérios também não deixaram a desejar, o desenho arquitetônico tal qual ao mapa que o André desenhou no livro. E as telas de comunicação para que nossos amigos e parentes possam nos ver.

Recebendo nossas mensagens de carinho, saudade...

É muito importante lembrarmos com carinho daqueles que partiram. Por muitas vezes, eu me pego chorando saudosa ou relembrando momentos que vivi com meus familiares que até hoje sinto falta.

E acho que foi isso que me fez chorar rios e rios enquanto assistia ao filme!

Caramba! A possibilidade de rever seus entes queridos, abraçar de novo seus avós, tios, pessoa amada, pais, enfim...

No meu caso, reencontrar meu amigo que me guia há uns 20 anos aproximadamente, ao qual batizei-o carinhosamente de Rehael e o homenageei colocando o mesmo nome no meu filho. O guia do André Luiz cuidou dele o tempo todo, dando carinho, atenção, sendo compreensivo até quando o André agia com ignorância. Mas nada como o santo remédio que devemos  beber tomando o cuidado de não o engolir, ficando com ele na boca o máximo possível: Água! Eu ri demais nessa cena!

Chico Xavier já havia comentado sobre isso anteriormente, então, digamos que eu já conhecia essa brincadeira! Mas realmente é muito útil e saudável. Ao invés de falar coisas que prejudiquem nossa alma, bebamos água e a mantenha na boca até a vontade de falar besteira passar. Santo remédio!

 

Ter a oportunidade de visitar na Terra seus parentes, sentir seu perfume, sua presença! OW COISA BOA!

Tomara que eu tenha chance também! Farei o possível para ser útil e acumular bastante bônus-hora!

 

Mas enfim... Pra quem estava na dúvida se valia a pena assistir ao filme, não tenha dúvidas. 

É um grande ensinamento. 

Se pudesse ser possível a realização de um filme baseado na experiência da Patrícia, sobrinha da Vera Lucia Marinzeck, seria o máximo. 

A maneira como a Patrícia conta a experiência dela, é um novo ponto de vista de como chegamos na Colônia e para onde vamos.

Patrícia partiu há bastante tempo mas é como se estivesse entre nós. Ler esse livro ao lado, e as continuidades que ela fez é sentí-la ao nosso lado como se estivesse contando na nossa frente.

E a gente ri e chora! Violetas na Janela é lindo demais e felizmente já tem peça teatral a representando, infelizmente não tive chance de ver aqui no Ceará ainda, mas quando houver, eu irei com certeza.

Queria muito que um dia a Vera informasse outro livro ditado pela Patrícia de modo que pudéssemos saber como ela anda hoje. 

Será que ainda está lecionando? Será que ela já cursou tudo o que tinha direito lá? Enfim, para o público adolescente, a Patrícia sabia muito bem se comunicar por intermédio desse livro de modo que fazia muita gente refletir como deveríamos nos comportar na nossa vida e assim ser merecedor de uma graça como a que a Patrícia teve.

As histórias ditadas também pelo Antônio Carlos para a Vera também são de grande valia e reflexão. Meu favorito é o Novamente Juntos! Também daria um bom filme.
Fica a dica também Verinha!! Sou sua fã!

Bom gente, depois de rasgar seda e apresentar a vocês minhas opiniões no que se refere ao Nosso Lar e Violetas na Janela, espero que tenham a chance de ler os livros e ver maiores detalhes dessas histórias incríveis.

Mas quem tem preguiça de ler, o filme Nosso Lar pescou o essencial que todos deveriam ver no livro.

AMEI!

Follow me @izabelesoeiro