quinta-feira, 4 de novembro de 2010

O que é que tá acontecendo afinal?

Ontem a noite, eu tive uma crise chata...E o pior: Não tive a decência de tê-la calada e sozinha. Fiquei berrando aos quatro ventos da internet minhas lamentações...

Eu sei que foi patético. Acabei chamando a atenção de muitos amigos que estão distantes com minhas bobagens, deixando alguns visivelmente preocupados e ainda assim, eu não conseguia falar com ninguém. Não que não quisesse mas é que eu usei também para acessar a internet aquele serviço do Tim Web pelo celular, aí já viu como fiquei ainda mais limitada...

Mas pra explicar o que houve, foi uma série de situações que ocorreram no decorrer do dia, que se acumulando acabou me deixando realmente chateada e triste.

Imagina aê você depender da boa vontade dos outros para poder ir resolver suas coisas. A pessoa não assume seus horários, não procura chegar cedo de modo a não lhe prejudicar e você fica com cara de paisagem aguardando a chegada da dita cuja. 

Depois pega um pátchia trânsito para deixar seu bebê na casa da avó e de lá, pegar mais congestionamento para ir ao trabalho. Pra procurar uma vaga na rua, onde há permissão de estacionamento para deficientes. você percebe que chegou literalmente tarde demais...

Só que ainda assim, Deus é tão bom que concede que você encontre uma vaga, um pouco distante de onde você gostaria, mas pelo menos é um lugar seguro para você deixar seu carro e ainda é permitido para deficiente. 

Só que você se depara com pessoas de todo tipo e algumas são extremamente ignorantes e preconceituosas e lhe atacam... Não, não foi exagero o que eu disse. Eu fui atacada... Um homem de mais ou menos 35 anos, eu acho, começou a falar alto, dizendo que era triste uma pessoa ser tão feia assim... Eu fiquei na minha, não imaginei que fosse comigo. Eu já sei que sou desprovida de beleza mas me aceito como sou... E na rua, "a grama do vizinho sempre é mais verde que a sua", concorda?

Aí, do nada, a voz do homem fica mais próxima de mim e ele diz: Vai ser feia assim no inferno coisa ruim. Era pra tu ter morrido! e sinto então um belo de um empurrão... Quase caio por cima de duas adolescentes que fardadas, acho que iam pra escola... Elas meio que me seguraram e logo o homem veio novamente pra cima de mim. Felizmente ele foi contido por uns rapazes e as moças começaram a gritar assustadas... 

Eu procurei me endireitar e sair dali o mais rápido possível, mas a sensação que ficou em mim foi terrível. E se ao invés de um empurrão, esse homem fincasse uma faca nas minhas costas? E aí? 

Nem me pergunte como era o rosto dele porque eu nem prestei atenção, porque quando eu ando na rua, eu admiro muito o chão que estou pisando (pra evitar cair por escorregão ou coisa do gênero).

Tá, tá...Eu sei...Deus me livre pensar essas coisas...Esse homem só podia ser um louco, mas infelizmente, louco ou não, tem muito tipo assim espalhado no mundo. 

Uns são mais contidos, ficam horrorizados quando nos vê mas não dizem nada verbalmente. Outros, atacam verbalmente com ofensas desse tipo a coisa pior... E outros fazem como esse homem fez comigo ontem. Não foi a primeira vez que fui atacada por conta da minha deficiência... Mas que é uma coisa capaz de nos deixar chateada, isso não tem como negar...

Termina o dia e você se depara com o seu carro com um bilhete no limpador de para-brisa. Contém um telefone e um nome... Achei estranho mas enfim, guardei comigo e saí para a casa de meus pais. 

Quando chego lá, minha amiga questiona o que houve no para-choque do carro. Quando vejo, ligo o bilhete ao arranhão violento que deram! Parecia que um carro tipo Hilux, D20, sei lá o quê, foi estacionar e dando a ré, engoliu a frente do meu possante. 

Dia desses comentei sobre um doido que do nada desengatou o carro dele enquanto o semáforo estava vermelho e bateu no meu carro, né? ¬¬

Em menos de uma semana, ocorre isso também... Vou te dizer...

Daê que mesmo não sendo minha culpa, levo um pátchia sermão do meu pai, considerando-me irresponsável (?) por permitir essas coisas acontecerem com meu carro... Eu mereço...

Então eu olho prum lado, olho pro outro e percebo que ninguém ali vai dizer: Eu entendo o que você passou hoje, Iza. Ninguém ali iria me ouvir pra eu contar como meu dia foi terrível...Eu só teria pessoas ao meu lado no momento pra apontar o dedo na minha cara e ficar tudo por isso mesmo e eu ser taxada de irresponsável.

Basicamente foi isso o que me aconteceu.

Mas o pior foi o que houve depois, eu ligo para o tal telefone que é de uma barraca de praia que deixaram preso no limpador do para-brisa e o tal responsável por uma L200, chamado Fabiano disse que eu podia fazer o que eu quisesse porque esse tal carro estava em Jaguaribe,  interior do estado e não vai tomar nenhuma providência e eu que me vire. E desligou o telefone... =/

E aê... Dá ou não dá pra ficar chateada e meia, se achando a pessoa mais sozinha e depressiva do mundo?