segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Vamos com calma nessa hora!

Oi pessoas...

Ultimamente o blog pareceu meio esquecido né? Bom, mas cá estou eu novamente para compartillhar com vocês as experiências de vida, e fazê-los enxergar sob o meu ponto de vista o que acontece ao meu redor.

Hoje tive uma experiência muito bacana com outros 18 colegas especiais. Cada um com sua particularidade, uns verdadeiros guerreiros, outros se vangloriando e se fazendo de coitadinho pra chamar atenção. E é num momento desses, que você pode avaliar e comparar sua vida com a destas pessoas.

Chega a envergonhar. É gente comentando que pegou ônibus lotado e foi um trajeto super complicado por sua limitação e eu linda e fina comentando que o trânsito estava um sufoco. Desses colegas, apenas eu e mais um rapaz temos carro próprio.

Daê chegou o momento da socialização, você se apresenta e conta um pouco sobre você.

"Meu nome é Izabele, nasci com mielomeningocele que é um probleminha na medula por conta da falta de ácido fólico na gravidez, mas procuro levar uma vida normal, sou casada, tenho um filho muito lindo de 2 aninhos, sou formada em contabilidade e atualmente cursando pós em RH, já tive várias experiências profissionais, acho que o fato da deficiência aliada a capacitação, te dá esse suporte, estou muito feliz de estar aqui e o que precisar, podem contar comigo. Nós somos uma equipe que espero que seja bastante unida em prol do crescimento da empresa e consequentemente o nosso próprio de acordo com nossos merecimentos. É isso. Obrigada."

Então, chega uma desprovida de bom senso e diz assim: "Bom, meu nome é fulana dos anzóis, tive polio com 10 meses, sou solteira, não tenho filho, tô querendo cursar faculdade mas não tem nenhuma perto da minha casa, a minha vida toda foi trabalhando com telemarketing, enfim, sou o oposto da madame aí. Mas espero aprender e ajudar no crescimento da empresa também como a madame falou."

Palhaçada né? Madame? ¬¬  Logo eu que não tenho frescura com ninguém!

Tudo bem que temos choques de realidade pessoal, profissional e financeira ao que parece mas não precisa apontar dedinho na minha cara e ficar me taxando. Pegou mal pra ela. Lugar nenhum fica legal com uma pessoa com um perfil desses. Ela passou o evento inteiro me cortando, tinham muitos outros PNE's na sala, mas ela resolveu me pregar na cruz e pegou no meu pé o tempo inteiro. Eu não podia opinar nada e ela dizia: "Lá vem a madame cheia de autoridade." -- Então atentei para o primeiro colega que me defendeu contra a (desculpa não tem outra palavra) invejosa e percebi que visivelmente ele não parecia ter deficiência física, então ele explicou que ele adquiriu LER (que é aquele probleminha que nos causa por movimentos repetitivos e constantes, como a digitação por exemplo) e foi homologado pelo INSS por isso e então se enquadra como PNE.

O rapaz é bem baixinho (pra não dizer o oposto), com mais de 1,80 de altura, o rapaz não é desprovido de beleza, sua simpatia cria um certo charme, porém ele aparentava um corpo magro, como tinham pessoas de muito bom senso ao nosso redor, não fizeram nove horas e questionaram seu peso: 46 kg. Perceptivelmente constrangido ele tentou se explicar dizendo que já fez de tudo pra engordar mas ainda não conseguiu muita coisa. Quando questionei sua idade e ele disse 20, imediatamente lembrei de uma pessoa que tem uns probleminhas de complexo e ao que parece se acha a pessoa mais anoréxica da face da Terra (não sei por que raios determinadas pessoas se satisfazem em querer nos diminuir, em querer fazer a gente se sentir a última porcaria jogada no esgoto, ao invés de cuidar de suas próprias vidas e olhar pra seu próprio umbigo) ¬¬ -- Por mim é um pátchia exagero, porque essa pessoa não é magra absurdamente. Ela é do tipo, não é gorda de jeito nenhum mas também não é o famoso termo "mágo de ruim".

Às vezes, por conta desses comentários desnecessários, a gente acaba se visualizando de um jeito nada a ver de como realmente somos. Essa pessoa tão querida pra mim tem esse pensamento, sabe que é coisa que não deveria se estressar mas não consegue evitar a chateação quando vem um comentário desprevenido pra cima dela. Quando eu digo então que essa pessoa é linda, perfeita, charmosa, de chamar realmente atenção pelo jeito atraente de ser, e detalhe essa pessoa não possui nenhum tipo de deficiência, não sei, acho que deve pensar que eu tô dando em cima, mas não é, é o que eu vejo e é o comportamento das pessoas que estão ao meu redor que demonstram interesse nessa pessoa e só ela não vê porque na cabecinha de vento dela, essa pessoa é uma coisa absurda de tão magra.

Esse rapaz que me defendeu hoje entrou no meu quesito de conceito de magreza porque além de muito alto, ele realmente tinha inclusive os braços mais finos e tal... Se for colocar essa pessoa tão querida pra mim do lado desse colega, aposto que nunca mais, essa pessoa diria tal absurdo. E não sei, eu sou suspeita pra falar porque eu não acho ninguém desprovido de beleza, todo mundo tem uma particularidade que destaca. Tipo, por mais que eu seja do jeito que sou, tem gente que acha meu sorriso e meu olhar bonitos! Pois é... Cada uma, né? Então. Esse rapaz que me ajudou no encontro com os outros PNE's também tinha sua cota de beleza e charme, assim como todos os demais, inclusive a doidinha implicante...

Acho que o segredo é você viver sua vida, aceitando-a como ela é, e se Deus colocar alguém no teu caminho pra te mostrar o quanto você teve sorte, é levantar as mãos pro céu e agradecer! \o/ Certo?

Bom gente, vou ficando por aqui. Uma ótima noite e fiquem com Deus!