terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Desabafando sobre o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência Física

Somos exemplos para alguns, somos como qualquer outra pessoa para outros. Somos injustiçados para uns, nos fazemos de vítima para outros...

A pessoa que possui uma limitação física é ciente do que acontece ao seu redor, mesmo que as pessoas insistam em pensar que sua deficiência física também é mental. Temos sensibilidade, percebemos a postura das pessoas só pelo olhar que nos dão e sabemos facilmente quando somos ou não bem-vindos.

Temos sentimento e não é nada absurdo termos o direito de amar e sermos amados. Se temos alguém em nossa vida, é porque essa pessoa enxergou em nós o que a sociedade teima em ignorar. E essa pessoa sabe que será muito amada, mais do que qualquer outra pessoa jamais a amou porque nosso reconhecimento e valorização superam as superficialidades que a sociedade impõe.

Somos vítimas da ignorância de pessoas que pisam em nossas fraquezas para nos derrubar. Somos presos numa sociedade que acha que devemos ficar em casa ou que não deveríamos sequer ter nascido.

Somos vítimas de pessoas absurdas que acham que pelo fato de termos alguma limitação física não temos qualificação suficiente para uma vaga no mercado de trabalho, mesmo que sejamos mais capacitados do que muitos concorrentes. Somos desvalorizados, somos humilhados e desrespeitados. Dificilmente temos direito de resposta e defesa.

Eu particularmente, acho um absurdo que nos desvalorizem dessa forma, porque também somos humanos e temos sentimentos. Não somos objetos que só servem para preencher uma cota para uma empresa não pagar multa e meses depois sermos descartados sem nenhum motivo, a não ser o comodismo da empresa que prefere deixar sua estrutura como está do que adaptá-la aos novos colaboradores.

Nesta data, em todo o mundo, o tema da celebração definido pela ONU será este: "Quebrar barreiras e abrir portas". Nesta data, os governantes e sociedade terão de escolher entre seguir essa tendência mundial ou permanecer no atraso que cria barreiras, fecha as portas na cara das pessoas com deficiência e retira seus direitos.