quarta-feira, 12 de março de 2014

Quando o ciúme atrapalha... E muito!

Eu sou uma grande defensora da existência de amizade entre homens e mulheres, sem nenhum tipo de interesse sexual, amoroso ou sei lá o quê. Simplesmente querer bem, ser amigo e pronto.

Tu está as mil maravilhas quando a pessoa começa um novo relacionamento e o amigo fica ali, meio de lado. Mas você dá todo o apoio possível e impossível, até mexe os pauzinhos pro negócio sair do canto... Depois, tem a feliz notícia que deu tudo certo e seu amigo está mais feliz que final de contos de fada... Aí você tenta se reaproximar e não consegue. Simplesmente porque a pessoa que seu amigo se relaciona é absurdamente ciumenta. E por mais que não deixe isso claro de forma direta, ela manda sinais bem óbvios e alguns até beiram ao ridículo.

Ontem tive que lidar com essa situação: Estava falando com um amigo pelo telefone, na intenção de ajudar uma terceira pessoa, e por conta de ciúme besta da pessoa que estava ao lado dele, do nada inventou coisas lembrou compromissos de tal forma que chegou ao extremo do ridículo... Nenhum dia da semana era possível de fazer nosso encontro acontecer... E deixou bem claro: Não vamos nos encontrar nunca mais!

Isso me irrita profundamente.  Por um lado, eu acho o ciúme uma coisa natural em qualquer relacionamento... Eu me considero ciumenta e meu pavio é curto, inclusive. Mas eu acho aceitável, e também fico furiosa quando fazem isso comigo; quando a pessoa descaradamente dá em cima da pessoa que eu amo, na real intenção de roubá-lo. Mas poxa vida, quando é uma amizade inocente, que não tem nada a ver e você tá catando cabelo em ovo?! Você sabe que o cara gosta de você, quer casar com você, mas você quer que ele se afaste das amizades dele e se dedique vivendo apenas no seu fantástico mundinho? Putisquitubinga!

Da mesma forma que você acha normal ter amigos homens, é normal seu amado ter mulheres como amigas. De novo, mediante análise da pessoa. Sabendo que ela é comprometida, não tem porque ter ciúmes. Tenha de quem é solteira, de quem é divorciada, de quem até namora outra pessoa... Tenha se o cara der motivo realmente, se ele for um mulherengo que dá em cima de todo mundo na sua frente... mas uma pessoa que é casada e que obviamente seu amado jamais se interessaria de outra forma que não fosse amizade, aí é demais!

Nós devemos aprender a controlar o ciúmes. O ciúmes é bom quando demonstrado, onde passa a sensação de carinho e cuidado. O ciúmes bom é aquele, onde a pessoa faz perguntas com curiosidade e não passa os limites, pois é normal nos preocuparmos com as pessoas que gostamos. Mas, a única coisa que devemos tomar cuidado é que o ciúmes acaba desgastando o relacionamento e quando acaba é muito difícil de ter volta. 

A pessoa deve evitar querer controlar a vida do amado, deve se controlar, não fazer escândalos na rua ou em lugares cheios de pessoas, conversarem em casa e deixar claro que aquela atitude você não gostou. Lembre-se que se a pessoa está com você é porque a ama e não fique com dúvidas em relação a isso e sempre que gerar dúvidas não tenha vergonha e pergunte para seu amado. E acredite, se ele está com você, é porque realmente gosta de ti. E homens sempre são objetivos em suas respostas.

Já o ciúmes ruim aparece em pessoas que são extremamente desconfiadas. Essas pessoas devem entender que namoram e não são donas da vida da pessoa e jamais se deve controlar os passos. Cada um tem a sua vida própria, independente da relação de vocês dois, afinal quando você conheceu o seu amado você tinha a sua vida e ele a vida dele e isso deve ser respeitado em qualquer relação, seja até mesmo quando estiverem casados. 

Por mais difícil que seja isso fará com que seja muito mais fácil controlar as situações, onde antes você perderia a cabeça morrendo de ciúmes. O ideal é encontrar o equilíbrio, pois assim conseguirão construir uma relação bacana, sem desconfianças e armadilhas. E tome cuidado, porque quando seu amado se der conta que você está indo além do limite, /ele vai acabar pedindo para você rever as suas atitudes. Não vale a pena por tudo a perder por causa de ciúme besta e desnecessário.

O ciúme doentio tem o desejo inconsciente da ameaça de um rival, assim como o desejo obsessivo de controle total sobre os sentimentos e comportamentos do outro. Caracteriza-se por ser exagerado, sem motivo aparente que o provoque, deixando o ciumento absolutamente inseguro e transformando-o num tremendo controlador, cerceador da liberdade do outro, podador de qualquer atividade que o parceiro queira fazer sem que ele esteja presente.

Dúvidas se transformam em ideias supervalorizadas, levando a pessoa a checar, verificar se ela tem fundamento. Checa celulares e ligações recebidas constantemente, quer saber quem enviou mensagens, que e-mails recebeu e por qual motivo, com quem falou e sobre o que, onde está e a que horas voltará, quem são os amigos e porque os têm; acha que se a pessoa se arruma para sair, mesmo que seja para o trabalho, está "se arrumando para encontrar a amante"; se há algum atraso é motivo de brigas e questionamentos intermináveis; e por mais que tente aliviar seus sentimentos, nunca estará satisfeito, permanecendo o mal estar da dúvida. Enfim, a vida a dois transforma-se num verdadeiro martírio.

Quem sofre os "ataques" do parceiro alimenta-o sem saber à medida que concorda em submeter-se ao que o outro pede. Por exemplo: se, ao ser questionado sobre quem lhe enviou e-mails, mesmo no trabalho, ele responder, der satisfações, o outro se sentirá no direito de fazê-lo sempre, agindo dessa forma cada vez mais incisivamente.

As brigas tornam-se frequentes e o clima de tensão impera na relação, já que qualquer coisa é motivo para reacender o ciúme. Porém, há momentos de total tranquilidade intercalados a estes - geralmente quando estão juntos, fazendo algo que distraia a atenção do ciumento - o que deixa a "vítima" do ciúme confusa, tirando a vontade de abandonar a relação que muitas vezes é tentadora.

Mas afinal quem é a vítima aqui? Aquele que sofre com as cobranças e vive numa verdadeira prisão ao lado de alguém possessivo e controlador ou este, que vive em constante tensão e desconfiança, perdendo por completo sua tranquilidade perante a vida em função de algo que o consome? Sem falar na exposição que causa a terceiros que também podem ser vítimas? Diria que ambos são vítimas e necessitam cuidados, cada um em seu contexto. Aquele que convive com o ciumento deve aprender a colocar limites, não alimentando a dinâmica doentia do parceiro, e não deixando de fazer suas coisas ou falar com seus amigos só porque o outro quer. Ele acaba cedendo às pressões para evitar brigas, o que lhe parece mais fácil, mas o resultado é catastrófico, pois quando menos imaginar perceberá o quanto está agindo em função do outro e se deixando de lado, submetendo-se, anulando-se por completo. E o pior: nada satisfaz ao parceiro, que vai exigir sempre mais, pois, como já foi dito, a sensação da dúvida permanece. Relacionamento abusivo é sofrimento infinito.

Uma grande dificuldade que encontramos ao lidar com essas pessoas é que em muitos casos tal comportamento foi aprendido com o pai ou a mãe, também ciumentos, passando a falsa ideia de que esse jeito de funcionar é o normal. Quando você vive em uma família cujas características principais são o controle, o cuidado excessivo, o zelo e preocupação com os filhos, cresce achando que assim deve ser, pois esse foi o modelo aprendido.

É preciso reaprender a relacionar-se sem o controle e libertar-se da angústia da dúvida para experimentar o prazer de um relacionamento "saudável", onde ambos possam compartilhar momentos de tranquilidade, sem ter que abrir mão de sua individualidade ao mesmo tempo. Isso é possível, basta querer.

Eu sou defensora da liberdade que cada um tem. Meu esposo tem essas crises de olhar meus emails e meus perfis nas redes sociais. Inclusive não duvido nada que ele esteja lendo essa postagem, mas segundo ele, é uma maneira que eu tenho de me comunicar. Não significa traição. E ele sabe que eu o respeito e sou louca por ele. Apesar de não ficar fuçando o email dele, eu reconheço que visito o perfil social, porque infelizmente, existem mulheres que sabem que ele é casado, mas acho que por conta da minha limitação, elas pensam que eu deixo algo a desejar pra ele. O que não é verdade, pelo menos eu acho que não. Mas meu caso, é completamente diferente de uma pessoa que é perfeita fisicamente.

Já tô ficando tão aborrecida com essa história que considero como egoísmo e infantilidade, que tô pra desistir de ajudar uma amiga em comum. Porque se você não quer que seu amado me veja, então tivesse dito logo que não queria marcar compromisso nenhum! Me evitaria perder duas semanas com sua imaturidade. E se tem uma coisa que eu ODEIO é amizade por interesse! Só permite que seu amado me procure para algo em benefício próprio... Santa paciência, viu?