sábado, 9 de agosto de 2014

É melhor dar do que receber?

Hoje é o aniversário do meu pequenino... Meu querido e "little tsunami". ;) Poderia ser um dia muito feliz mas... Não deu. Pra mim... Foi complicado demais. Agora tô em casa de repouso na marra... >.<

O dia já não tinha começado bem de qualquer forma. Amanheci sentindo tanta dor que nem sei ainda porque meu nome não é Maria das Dores... ¬¬

Mesmo assim, engoli o choro e encarei minha realidade. Tentei mudar o pensamento, fui comprar um presentinho pro meu filhotinho aniversariante e levar também algo para o mais velho. 

Não existe sensação no mundo mais gratificante de ser a causa do sorriso de alguém que você ama. Saber que aquela reação é de algo que você causou. Que o tempo pode passar, talvez amanhã eu nem esteja mais aqui, mas a pessoa sempre se lembrará das coisas que fiz para fazê-la feliz.

O que estou dizendo é de modo geral. Mas ver a alegria do meu filho, me abraçando, me beijando, dizendo que estava com "sadade", que me ama... Sério... Existe algo no mundo que seja mais caro do que isso?

E a tentativa de conter uma reação? De você ver o olho brilhar de qualquer forma? A emoção contida... Eu não me importo em receber presentes, eu sou fã de presentear. Amo fazer isso.

Eu posso ser uma pobre coitada, posso ser a aleijada que quer ter atenção, posso ser o fardo na vida das pessoas, mas eu consigo dar alegrias de vez em quando para as pessoas que amo.

Se isso é visto como "comprar" a atenção de alguém, ou o carinho e amor dessa pessoa, saiba que eu sou a primeira a me afastar assim que percebo isso. Eu gosto de ser útil, não de ser usada.

Eu gosto de surpreender, gosto de transformar um dia qualquer como um dia excepcional... Se isso é algo errado, se isso é algo absurdo... Bom... Essa sou eu.

Mas tenho meus defeitos e um deles é de me retrair... De me afastar... De me isolar. Acho que é justamente por tanto ouvir essas piadinhas de que estou comprando o amor das pessoas, que estou querendo chamar atenção... Mas enfim... Não é essa a minha intenção.

Só espero que meus filhos cresçam com a ideia de que é muito mais gratificante e nobre: presentear, surpreender e reconhecer alguém do que fazer algo esperando um retorno.