terça-feira, 25 de agosto de 2015

Mercado de trabalho para PCD e o LinkedIn.

Oi pessoas...

Hoje eu tive uma conversa calorosa com uma pessoa, que como eu, possui uma limitação física. Ela está procurando emprego e possui uma boa formação superior. Sua busca por algo de acordo com sua formação é realmente frustrante e complicado. Infelizmente as empresas não dão a devida valorização para a formação de uma pessoa com deficiência. Na verdade, eu mesma já experimentei uma contratação onde meu colega que não possui deficiência ganhava mais do que eu, sendo que o cargo era o mesmo. Mesma coisa, mesma função... Era revoltante, inclusive.

Pra quem tenta se valorizar neste mercado atual, o negócio tá ficando cada vez mais complicado. Hoje, quando as empresas mencionam vaga para PCD, elas esperam encontrar pessoas com deficiência leve, praticamente imperceptível. Pessoas com má formação dos membros, deficiência mediana ou cadeirantes, correm o risco de rodar sempre nas seleções.

Eu considero um tipo de concorrência desleal. Uma maneira de colocar a pessoa com deficiência de novo trancafiada dentro de casa porque o mundo lá fora não a quer em seu meio. Eu cheguei a sugerir à pessoa que buscasse trabalhar nem que fosse com telemarketing. Trabalhar por seis horas e ganhar o salário, com direito a benefícios, na atual crise, é uma saída. Eu acredito que todo trabalho é nobre, tudo o que fazemos pensando no bem e no melhor da nossa família, é algo digno sim. Grande coisa se minha CTPS acusa que no meu último emprego eu ganhava R$ 2000,00 ou mais. O desemprego é real e em muitos lugares. Ou você aperta o cinto e continua buscando vagas até finalmente encontrar uma do jeito que você quer, ou então você dança conforme a música. 

Outra coisa que acho interessante quando a gente começa por baixo, é a oportunidade que temos de mostrar nossa capacidade. E lá dentro, internamente, termos a oportunidade de crescer. De sermos promovidos. Conheci muitas pessoas (além de PCDs) que começavam como estagiários e hoje possuem cargos e respaldo admiráveis. Isso é bacana. 

Não sabemos o que nos espera no dia seguinte. Hoje posso ser uma analista e amanhã, a empresa me chama pra dizer que no momento não estou me adequando ao perfil da empresa. Quem sabe? Só Deus pode nos dá as respostas que precisamos, mas isso, de acordo com nossos merecimentos.

Disse a essa pessoa, que ela buscasse continuar enviando seus currículos, continuasse atualizando seu conhecimento, porque o mercado de trabalho está constantemente mudando e crescendo. Cargos novos estão aparecendo e outros estão sendo extintos.

Outro conselho que dou para quem está tentando trabalho é estudar pra concurso. Mas estudar pra valer. A concorrência também está desleal para essas vagas mas é ainda menor comparada ao geral. Ou então, invente seu próprio negócio. Revenda algo, invista numa franquia, estude o mercado, visite o SEBRAE... Eles sempre dão orientações para quem quer deixar de ser empregado e ser patrão.

Ficar parado, acaba fazendo o que aconteceu comigo. Depressão. Desânimo. Falta de estímulo... Não é legal e eu não desejo isso pra ninguém. 

Aproveita e cria um perfil no LinkedIn, é praticamente um Facebook profissional, mas pelo amor de Deus, quando digo que é um tipo de Facebook, não é pra ficar postando bobagens... LinkedIn tem toda uma norma de conduta e o bom senso deve prevalecer ali. Mas faça seu perfil, alimente o máximo possível de informações, coloque uma foto de perfil que destaque seu rosto. Se quiser mostrar um pouco o corpo, que seja numa roupa social ou sport fino. Foto com biquinhos (dando beijinho), de óculos escuros, mostrando família, decotes, corpo inteiro posando... Hmmm...deixa isso pro Facebook, ok? 

O bacana do LinkedIn é você ter a noção de passar a ideia de que você é simpático e acessível, ao mesmo tempo que sabe ser sociável e sofisticado. Então, sua foto tem que ser literalmente seu cartão de visita. Entendido? Seu perfil é exatamente seu currículo. Nunca, jamais, em hipótese alguma, pel'amor de Deus, NÃO coloque informações que não condizem com a sua realidade. Vai ficar tão feio quando a recrutadora pedir comprovação daquele curso que você inventou e aí você vai perder a vaga além de ficar visto com maus olhos numa próxima oportunidade. Procure todas as empresas que você admira, que gostaria de ter uma oportunidade empregatícia lá... Siga essas empresas. 

Busque ex-colegas, amigos, ex-professores e convide-os para participar da sua rede. Quando conseguir, recomende-os em suas qualificações ou faça uma recomendação pessoal sobre esta pessoa. O bacana é que há retribuição sempre e assim, seu perfil será mais visado.

Cuidado com postagens que dizem que possuem tal planilha em que basta você informar seu email que eles te encaminham sem você ter custo algum. Tamanha boa vontade tem um preço que talvez você não vá gostar. A maioria destes, são de má fé. Usam seu email para enviar spans. E se você informar o endereço de email da empresa em que trabalha atualmente, aí que o negócio fica feio pra você. Cuidado com as curtidas que você der também, pois tudo o que você curtir, os seus contatos vão ver. Assim também como seus comentários. Se compartilhar algo, é interessante mostrar a fonte daquela informação, para não ficar se aproveitando do esforço alheio.

Não sei se a pessoa concordou com tudo isso que disse aqui (repeti o mesmo para ela) ou se isso a motivou a tentar, mas se você achar que vale a pena tentar, desejo-te muita sorte e sucesso.