terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Oi pessoas,

Ando recebendo chamadas toda madrugada, e não tenho interesse de saber de quem é mas é muito incômodo. Ativei então meu bloqueador para não ser incomodada e melhorou muito minha paz.

E então, hoje recebi uma mensagem direta pelo Instagram de um perfil estranhamente desativado, impossível de visualizar a autoria. Achei bizarro aquilo, mas o mais interessante era a mensagem. Me chamando de trouxa novamente, por ir atrás de quem não se importa comigo.

 
Confesso que passei um tempo raciocinando, catando no meu juízo quem seria essa pessoa que eu estava indo atrás e não se importava comigo, porque...convenhamos, é só esse tipo de gente que tenho em minha vida! É difícil definir especificamente quem seria. Então, separei 3 pessoas. Duas mulheres e um homem. Essas três pessoas causaram um mal medonho pra mim, mas eu simplesmente não consigo ter raiva delas. Se assim for, é...então eu sou trouxa mesmo.

Agora a pouco, me vi visitando o perfil de cada uma dessas pessoas pra me enxergar no passado. Como eu era com essas pessoas. E era lamentável realmente a minha tentativa de me enturmar, de querer ser próxima... Quando percebi, estava excluindo cada curtida, cada comentário, cada postagem realizada para determinada pessoa. E eu fiz isso de forma tão automática porque infelizmente tenho isso, de pegar de volta minhas palavras, de considerar a pessoa indigna de receber aquele carinho e atenção todo...

Se eu pegar além disso, eu vejo mais do que desconsiderar tudo o que fui por ela, pois não há prova do quanto você não significa nada para alguém, do que você perceber ser a única a procurar, a querer saber notícias, a demonstrar que se importa. Mas isso é ser trouxa novamente. Então, acho que essa é minha maior justificativa de ter percebido as exclusões nos perfis de todos os comentários feitos, curtidas e etc...

 
Não posso bradar dizendo que nunca mais falarei com essas pessoas, porque quando menos espero, Deus as coloca na minha frente, de forma direta ou indireta e não tenho como ignorar. E como Ele sabe de todas as coisas, com certeza, há um propósito para isso. A gente aprende pela dor ou pelo amor. A essas três pessoas, nenhuma delas pode dizer que lhes causei dor porque eu podia estar morrendo, mas fazia qualquer negócio para fazê-las sorrir. Mas deve ter uma lição pra tudo isso... Ainda não sei quem é o intrumento Dele nessas histórias mas pela similaridade, acredito que ainda tenho que aprender muito...

Machuca quando você até tenta se reaproximar da pessoa, e percebe que é apenas mais do mesmo. Porque a pessoa está acostumada pelas atitudes que eu tinha no passado de fazer tudo por ela, e acha ruim porque não fiz o mesmo dessa vez.

Uma dessas pessoas, dia desses meio que me atacou jogando uma frase dita e que me marcou muito, dizendo que lembrava bem quando falou aquilo e que não tinha dito ao pé da letra. Na hora, eu não me importei com a tentativa de se justificar mas depois me veio o pensamento: "Perae, quem andou falando o que eu considerei quando ouvi esssa determinada frase?"

 
Tudo bem que aqui no blog é fácil encontrar minhas mágoas mas se o dito comentário no perfil desativado se referir a quem estou pensando, eu realmente lamento muito. E sinto alívio de ter me afastado porque apenas mostrou que foi o certo a fazer. Simplesmente porque eu tenho uma linha de pensamento que não muda fácil. Eu reconheço isso.

No dia que eu disser que não tem perigo de alguém me fazer olhar na cara de alguém, tenha certeza que isso é verídico. Especialmente quando houve motivos passados para isso. Porque eu não consigo ser duas caras. E pior ainda se você detona alguém pra mim, me faz enxergar como você, não há mais como eu vê-la da mesma maneira.

Não quero mais proximidade com ninguém porque quando eu tento, lá vem sei lá quem das profundezas, debochar da minha cara, dizendo que estou fazendo papel de trouxa novamente...

 
A única coisa que aprendi com essas pessoas que vieram em minha mente, é que a interpretação do ser humano é algo muito complexo e não é todo mundo que merece ser escutado. E se fui trouxa novamente, Deus sabe de todas as coisas e minhas intenções. E isso eu estou de consciência tranquila. Já aprendi também quão ingratas as pessoas são. Que farão comentários maldosos depois, mostrando verdadeiramente quem são...

Mas sabe, mesmo ajudando determinadas pessoas de alguma forma, eu não me arrependo pelo meu gesto. Interpretem como quiser. Pra mim, ajudar essa ou aquela pessoa, não é nada demais. É um contato. Não é amizade.

E o que me fez mal, eu já deletei do meu passado, da minha memória e do meu coração. Não vale a pena guardar coisas ruins dentro de nós, tudo nos acontece de acordo com nossos merecimentos e eu não quero voltar para pagar um erro que poderia ter sido evitado ou contornado nessa vida.

 
O que aconteceu no passado, já foi. Morreu, não existe mais e nem vai voltar. E se eu encontrar alguém precisando de ajuda, eu não hesitarei em ajudar se estiver ao meu alcance. Não que eu espere mais que essa pessoa retribua, porque isso eu também perdi a crença, mas por saber que Deus vai colocar em nossa vida alguém para fazer por nós o que jamais imaginaríamos que fossem capaz de fazer.

Deus sabe de todas as coisas. Agora é só ignorar, relevar e viver.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Oi pessoas,

enquanto muitos curtem o Carnaval, eu faço parte desse bloco aqui:

A post shared by Flávio Wetten / Ilustrador (@lifeonadraw) on


Me diz se tem coisa melhor do que ficar de perna pra cima, dormindo até mais tarde, assistindo Netflix ou o que bem entender na internet ou TV, curtir a família, estudar, ler um livro... Esquecer a rotina louca da semana?! Ah, coisa boa!

 Definitivamente eu não troco esses momentos de conforto e segurança por a tal folia de carnaval. Não faz meu estilo mesmo. Sou do Bloco dos Sonecas com muito orgulho desde que me entendo por gente e puxei isso dos meus pais!

Me planejei para nesse feriado atualizar tudo da minha finalização da graduação, do curso técnico de DP e eSocial e também vir aqui contar um pouquinho como anda a correria do meu dia-a-dia. Botar pra fora minhas ideias, colocar em prática outras e quem sabe visualizar algo com uma nova visão.

 Meu acompanhamento no Cuca Mondubim tá muito bacana! A natação está sendo algo que jamais imaginei que pudesse fazer da maneira que estou fazendo. É que devido a limitação, aos pés serem atrofiados e menores do que o restante do meu corpo, a gente acha que não vai dar certo, mas quando vê, já está dando braçadas e contando tempo debaixo d'água.

Eu achava que por fazer algo desse tipo, mui provavelmente teria de lidar com preconceito, olhares e etc, mas isso não aconteceu. Pelo contrário. E estou ansiosa para ver meu corpo mudando como já estão comentando que está começando a ficar. Ainda não percebi estar emagrecendo, mas se estão percebendo, ponto pra mim!

No meu trabalho, as coisas também estão indo bem, na medida do possível. Trabalhar com RH é algo desafiador sempre, porque lidamos com expectativas de quem quer entrar na empresa e de quem já está lá e quer ter mais do que já possui. Existe a meritocracia para ambos os casos, e estou pensando aqui com meus botões compartilhar no LinkedIn, como um artigo, algumas dicas para que essas pessoas possam conquistar o que desejam.

 Minha busca mesopotâmica por endócrino acabou, estou tomando diariamente meu remedinho para minha tireóide trabalhar devidamente, e isso contribuiu bastante para acabar com o cansaço excessivo que eu tinha. A sonolência acabou, estou dormindo melhor a noite e então resolvi ir em busca de um psiquiatra para tratar então das questões psicológicas, como a depressão, ansiedade e bipolaridade, reconhecidas pelo SARAH.

Felizmente das ligações que fiz aos consultórios que mais uma vez cobravam mais de R$300 por consulta, um deles foi maravilhoso e indicou um médico que não cobrava na consulta, que aceitava o plano de saúde que eu tinha. E assim, eu marquei e fui feliz da vida, na esperança de findar o uso do venlafaxina, remédio anti-depressivo passado pelo SARAH.

 O psiquiatra foi muito gente boa. Porém, o choque de realidade que ele meu deu, foi violento. Minha tão sonhada intenção de parar de tomar o venlafaxina parece estar bem longe de acontecer. Estava tomando uma dosagem inferior a necessária do meu tratamento. Não foi culpa minha, claro... Eu não tinha como saber, mas infelizmente as consequências disso podiam ser percebidas facilmente tanto por mim, tanto por quem estava por perto...

Como tenho transtorno de ansiedade e depressão recorrente, o Venlafaxina poderia atuar nisso de forma positiva mas o máximo que devo ter feito tomando a dosagem errada, foi acostumar meu organismo às propriedades do remédio e não causar efeito algum.

 A sessão durou mais de 2 horas, ele ouviu tudo o que eu deveria dizer. Em conclusão, disse que foi bastante proveitoso pois eu fui suscinta e objetiva. Falei minha infância, adolescência, relacionamentos, amizades, trabalho, filhos e minha personalidade em consequência às rejeições, perdas, injustiças,  preconceitos e tudo mais... 

Recomendou então que eu continuasse tomando o venlafaxina e agora na dosagem correta. Indicou que eu buscasse um psicoterapeuta pois devido a depressão recorrente e o transtorno de ansiedade que tenho, é importante um acompanhamento no mínimo mensal. Quase me acabei de rir da expressão dele quando disse que o acompanhamento que eu tinha no SARAH era duas vezes, por ano. Mas eles mesmos diziam que ali não era para ser levado em conta pois meu tratamento precisaria de acompanhamento mais intenso.

 Outra coisa que me propus a fazer neste ano foi receber pets na minha casa nos fins de semana enquanto alguém pode viajar tranquilo porque teve chance de deixar seu amiguinho com alguém que realmente tenha responsabilidade suficiente para cuidar bem como se deve. Enquanto sou anfitriã, meu esposo vai pra minha sogra com as crianças e nosso pet. E como eu ficava só em casa por todo fim de semana, então achei essa ideia bacana e está sendo muito interessante mesmo. Além de que a gente ganha um extra... 

Então pessoal, basicamente é isso que tem me acontecido e agora vou dormir, depois estudar, assistir netflix, namorar com o marido, comer algo e depois dormir mais... Vida melhor que essa, não tem! hahahahah

Ah, e lembrando que no fim do mês tem o meu desafio pra Jeri. Mas confesso que tô evitando ficar com expectativas demais, evitando sofrer por antecipação. Apesar de considerar o pensamento de que "é melhor estar preparada pro pior do que pro melhor" como algo bom, isso definitivamente não é recomendável para quem tem ansiedade e depressão.

Hoje estou reconhecidamente pensando menos e agindo mais. Deixando as coisas acontecerem, sabe? Se meu apito sensitivo identificar alguém querendo bancar o imbecil pro meu lado, eu já corto. E assim, deixando minha vida mais leve. Afastando-me de quem não faz questão de falar comigo e fazendo o que gosto sem me preocupar sobre o que vão pensar. E assim, a minha vida segue.

Follow me @izabelesoeiro